12.4.09

18 de Abril é o dia


Em uma semana começo mais uma rodada do Diário Gráfico, a oficina de desbloqueio criativo que usa o livro como suporte.

Este curso já me levou para diversos cantos do país, Porto Alegre, Manaus, Fortaleza, Passo Fundo, Brasília, Recife, cidades onde pude compartilhar experiências e criar oportunidades para que muitas pessoas descobrissem por conta própria novas portas em seus processos criativos.

Muitas "amizades de infância" foram encontradas ao longo deste caminho, o que me faz crer ainda mais no "bom karma" que é criar estas pontes para que as pessoas atravessem.

O Diário Gráfico começou com uma turma de dois alunos e dois professores, eu e o Yomar Augusto, que partiu para a Holanda para estudar tipografia e virou cidadão do mundo.

Ao longo dos anos, o interesse no assunto só cresceu, a ponto de alguns alunos da PUC-Rio brincarem comigo dizendo que o Diário Gráfico virou uma "eletiva obrigatória" do curso de design daquela universidade...

Nem mesmo a massiva inserção das mídias digitais em nossas vidas apagou o interesse pelo potencial do mundo analógico dos cadernos. A prática de trabalhar naquelas páginas, seja para registro das fugazes idéias ou da banalidade cotidiana, seja como suporte para experimentação gráfica e conceitual, continua mais acesa do que nunca. Livres da promessa de redenção proporcionada pelo botão de UNDO, os indivíduos criativos nascidos na era do computador, arriscam mais, experimentam novas possibilidades, tomam contato com a fisicalidade dos materiais, e, neste processo, colecionam acertos, erros e acidentes felizes.

É justamente na possibilidade de encontrar-se com o acaso, o não-planejado, que enriquecemos a experiência de criar.

O espaço do Diário Gráfico aqui no Rio de Janeiro agora é na Gávea. O trabalho com pequenos grupos, em uma atmosfera informal, são fatores que reforçam a dinâmica do curso.

No início deste ano as Alarcrônicas sortearam um livro. Conforme prometido, as promoções continuam e esta mensagem é mais uma semente de "good karma" que lanço ao léu.

7 comentários:

rita disse...

O teu blog esta fantastico!!

Zé Otavio disse...

Oi Alarcão, espero um dia ainda participar do seu curso, gostaria muito de trocar idéias, experiências e imagens contigo. Espero que no ano que vem eu ja esteje de volta pra isso. Gostei muito do trabalho do seu amigo Yomar Augusto, principalmente seu trabalho tipográfico e caligráfico.
um abraço.

Thyago! disse...

Grande Alarca,
Seus amigos aqui de Fortaleza
depois do curso não paramos mais de desenvolvermos os cadernos...Você deixou além da técnica uma grande amizade...Grande Abraço!!!! Julião, Wendel e Thyago!!!

Chochô disse...

Alarcão, tem previsão de fazer em Curitiba?

Alarcão disse...

Chochô,

Como você viu, já levei meus cursos para diversas cidades do Brasil e o processo sempre começa com a participação ativa de algumas pessoas-chave nestes locais. São eles que ficam responsáveis pela divulgação, convênios com universidades ou escolas, patrocínios, e finalmente formar um grupo de interessados nos cursos. Depois definimos datas, valores, transporte e estadia.
O pacote geralmente inclui 2 dias de aula de 6 h cada, mais uma palestra em uma universidade ou escola. Escreva para estudiomarimbondo@terra.com.br que enviaremos mais detalhes.

Alarcão disse...

Caros,

A vaga já foi sorteada. Recebi o e-mail 18 às 15h de segunda-feira.

Thyagão, Julião e Wendell de Fortaleza! Poutz, esse trio quase me causou uma hérnia de tanto rir.
Vamos tomar uns "chopes de vinho" nessa vida mais algumas vezes meus caros!

Matheus Barbosa disse...

Quer ir pela Paraíba?