1.5.08

Memórias de Fortaleza

De volta da simpática cidade de Fortaleza, onde estive a convite do SESC/SENAC- Iracema para relizar mais uma série de oficinas do Diário Gráfico, retomo a vida de ilustrador e também os assuntos alarcrônicos deste diário virtual.



Tivemos duas turmas 100% completas, um total de 40 pessoas, dentre elas profissionais de design, publicidade, arquitetura, moda, e também estudantes. Mais uma leva de gente criativa inoculada com o vírus dos processos criativos não-convencionais.






Acredito que, para a maioria dos participantes, este foi o início de uma estrada cheia de possibilidades novas. Se não foi assim, paciência, afinal toda unanimidade é burra (palavras do ranzinza Nelson Rodrigues).




As instalações do SESC/SENAC foram perfeitas para o trabalho, bem como a oferta de materiais (tintas, papéis, pincéis, etc). Por isso deixo registrados os agradecimentos ao Sergio Melo, que cuidou com atenção de todos os detalhes.




Quem conhece Fortaleza já deve ter ouvido falar em Dragão do Mar. Não se trata de uma lenda sobre alguma sereia baranga, mas sim o nome de um local histórico que hoje reúne um moderno complexo arquitetônico com centros culturais, um museu de arte contemporânea, um excelente café (Santa Clara) e diversos bares abrigados em casarões centenários. O local onde aconteceu a oficina do Diário Gráfico é exatamente ali.

Tive a sorte de estar no lugar certo e na hora certa. O SESC/SENAC sediava uma belíssima exposição de fotografias de moda, além do festival Palco Giratório, que trouxe grupos de teatro de todo o Brasil. Vi uma peça bacana do grupo Circo Minimal, de Porto Alegre. A atriz principal era uma galinha soprano de 15 cm de altura, na verdade um boneco manipulável. A peça durava 4 minutos e a tenda abrigava uma platéia de no máximo 7 pessoas.

Logo ali também, o Museu de Arte Contemporânea, acabava de encerrar uma exposição sobre graffitti. Cheguei a tempo de ver um simples pintor de parede fazer sua performance: devolver o branco institucional à parede do museu.



Logo em seguida o MAC de Fortaleza abriu a mostra 300% Spanish Design, que trouxe 100 cadeiras, 100 luminárias e 100 posters daquele país. Tomara que rode o Brasil inteiro.



Estive na abertura e babei com os posters de todas as épocas, trabalhos de Miró, Picasso, umas coisas da década de 60, 70 e 80, outras do Art Deco, do Art Nouveau, etc.



E as cadeiras? Uma mais maravilhosa que a outra. O design espanhol é sem dúvida um dos melhores do mundo.



Tinha também essa aí, com uma proposta mais, hum... conceitual e contemporânea. Muita vontade de ser original nénão?



E as minhas favoritas. A de metal é linda!



Curti muito a luminária que se encaixa entre os livros da estante.



No sábado saí com uns artistas locais (Thyago, Wendel, Julião, Dias e Rafael Limaverde , do coletivo de intervenções urbanas "Acidum"). Molhamos as palavras com uma bebida chamada "chope de vinho", enquanto os cabas iam contando piadas de cearenses e causos sobre assuntos aleatórios que arrebentaram com as comportas de risos e gargalhadas deste pobre carioca. Neste momento ainda me recupero de uma distensão muscular nas costas que, acredito, é o resultado desta noite infame.

Como nem tudo é trabalho, no domingo consegui dar uma esticada até a bela Praia do Futuro no final da tarde, para dar um bronze na minha testa de amolar facão. Que maravilha, água morna e o sol baixo a desenhar aquelas sombras compridas na areia. Mas foi rapidinho, tempo apenas pra molhar os fundilhos, tomar uma água de coco e partir de volta.



Na volta peguei um micro-ônibus cujos altos-falantes tocavam pérolas do cancioneiro local e forrós com letras pra lá de safadas("Quem é o góstosão daqui, sou eu, sou eu, sou eu...", "Vou te deixar tesuda, vou ...").
O povo cantarolava e eu só pensava: "que experiência antropológica!".

Abaixo, palestra sobre ilustração editorial nas Faculdades do Nordeste - Fanor.



Voltei de Fortaleza com a missão cumprida e cheio de novos amigos de infância. Estou com os dentes no varal (Segundo o Dicionário do Ceará, rindo à toa) e o coração radiante. Logo logo tem mais.

13 comentários:

fox disse...

Massa!!!!

Que bom que curtiu essa terra =]
Nós tb aproveitamos muito tua presença aqui. Todos aprendemos com vc.
E a palestra viu......
foi pra fechar com chave de ouro mermo hehe


Até a próxima vinda aqui NEH!? ;)
Ou antes, minha ida aí...
Abração, bixo!

karlasaraiva@gmail.com disse...

Foi muito bom =)
volte mais vezes!

abraços!
Karla Saraiva

Tarcísio disse...

Faço as palavras do FOX as minhas.
Parabéns, cara.

Alessandra disse...

Foi uma experiência única participar do seu curso.

Volte mais vezes, sim. Estaremos de braços arreganhados pra lhe receber! hehehehehehehehehehe.

Alessandra.

PS: todo mundo adorou minha roda da fortuna particular.

jocelino [designer] neto disse...

Realmente!!! O Diário Gráfico foi um abrir de quengo sem igual. A alma lutando para se esbaldar página a página enquanto que a mente cartesiana arrochava do outro lado para que os trilhos do raciocínio fossem seguidos.

Enfim. Veni. Vidi. Codi. :-)

ps. venci meus temores pueris e a palestra paradigmática foi realizada. A self-hypnosis não foi necessária, mas uma meditação prévia funcionou muito bem.

Agradeço sinceramente a paciência.

Sergio disse...

Camarada Renato,

foi muito bom tê-lo por aqui e conhecer além do seu lado profissional, a humanidade que aí reside.

Grato pelas conversas engrandecedoras e também por aquelas de miolo de pote(vide dicionário de cearês.

Grande abraço, e agora que já descabacei o negoço, pode esperar que logo tô te aperreando pra vir de novo.

Inté

Sérgio Melo

popdesign disse...

alarcão, se vc tivesse visto o clip que tem na internet com essa música "quem é o gostosão daqui" vc ia ver o que é safadeza kkk

mas que bom que foi tudo ótimo! quero ser assim quando crescer.

[]s

Bia Penha disse...

Ahh o curso foi ótimo mesmo, palavra da mais tímida!
hehehe

Lorena Medeiros disse...

Alarcão!!!
Foi um grande prazer fazer uma oficina tão empolgante com um instrutor tão gente fina! Pena que foi pouco tempo..quem sabe voce não retorna com uma oficina de maior durabilidade?
Abração e que bom que gostou de Fortaleza!

Abraços!!!

gabriel baquit disse...

a oficina foi ótima, o dragão do mar é realmente muito bom, mas que pena que não conseguiste ver a exposição 'entregue às moscas'.

foi um grande prazer participar da oficina - ou do primeiro dia, pelo menos, pois fui impossibilitado pela minha conjuntivite que se agravou.

não fiquei sabendo da palestra na fanor. espero não ter perdido muito.

um abraço.

Waleska disse...

Renato,

É sempre bom quando gente do bem passa pela vida da gente, ainda que seja de forma breve, num curso rápido, que a gente não fez oficialmente (rsrsrs). Começo a rabiscar meu diário ... ainda que seja só com gravuras de outras pessoas e escritas (é um começo). Voltei a me encantar por frases soltas, papéis velhos, e todas as coisas que tinha deixado de contemplar. Quanto a Vitória, desde sua presença, sempre pede para comer sushi ... já a levei uma vez e ela, claro, lembrou do mais novo amigo de infância. Espero que você volte em breve! Abraço.

Rodrigo Seixas disse...

Um curso que vale a pena! Poderiamos fazer uma nova etapa deste curso com uma carga horária maior. Que acham?

Daniel Diaz disse...

Quando voltar, seja bem vindo novamente!!! Vamos rindo e vivendo cada dia, e diários na mão para registrar tudinho, o gráfico foi, mas deixou registros de amizade!!!

Um grande abraço!
Diaz.