26.2.08

2 Lobos

5 comentários:

Luciano Feijão disse...

Essa história me lembrou o velho índio Yaqui mexicano Don Juan, ensinando Carlos Castañeda o "caminho do guerreiro".

Os índios vivem pra sempre...pobre de nós, que só juntamos dinheiro pra no final morrer.

Henrique disse...

Feijão, com a diferença que o Don Juan e o Castaneda enchiam a cara de peyote e ficavam viajando que estavam se movimentando pela tessitura do universo por meio dos "tentáculos" que saíam de suas auras. rsrsrs

Monge disse...

Vejo dois lobos no desenho. O que sorri não representa necessariamente o bem, e o que rói a carcaça não é, via de regra, o símbolo para o mal.

Um lobo mau, sorridente, sarcástico e bem alimentado é o pior, o que nos arrasta para o fracasso completo.

Felipe Duarte disse...

historia fofa. talvez tirassemos conclusões mais hm, profundas, se o velho cherokee e seu netinho fossem passear no deserto do sonora, com Juan Matus, castaneda e Don Genaro. como bem lembrou o feijão

Na "vida real", nenhum dos lobos vence, mas é uma boa história de se contar pros netos.

Alarcão disse...

Fofa não. Simples. Sábia. Perene. Temos exercitado essa confusão há muito tempo.
Tudo o que parece rapidamente assimilável e sem camadas sutis ou espessas de complexidade é visto como raso. Devíamos aprender a nos comunicar com palavras e metáforas leves de vez em quando. Falar como se fossem crianças os nossos interlocutores.
Enfim, não importa. Cada um julga como quer. Eu alimento meu lobo do bem, e procuro olhar o mundo pelos olhos dele.