30.9.10

E então, já encomendou o seu?

Agora os compradores do livro 36 Vistas do Cristo Redentor ganham de presente uma aquarela original logo na primeira página (mais detalhes à frente). 








36 Vistas do Cristo Redentor é um livro urbano, carioca, brasileiríssimo. Em suas páginas está a perspectiva aérea das montanhas do Rio, a beleza da baía de Guanabara e do Jardim Botânico, e também as situações curiosas protagonizadas pelos personagens desta cidade tão paradoxal.



"Circulando pelo Rio, chego às vezes a imaginar que o Cristo Redentor sempre esteve ali, como se as próprias pedras do Corcovado houvessem confabulado entre si ao longo de milênios e, com ajuda de alguma mágica , lentamente, se organizaram para formar a estátua…

O projeto envolveu um longo tempo de pesquisa, no qual foram feitas diversas "incursões na paisagem" em busca de ângulos e temas interessantes. Nestes passeios tivemos o Redentor como bússola, já que ele aponta os pontos cardeais.










Ilustrar as 36 Vistas do Cristo foi um projeto que incluiu não somente retratar a estátua sob diversos ângulos mas sobretudo criar narrativas e comentários visuais sobre cidade que está sob o olhar do Cristo.


Foram produzidas perto de 2000 fotografias, além de diversos videos. Esboços e aquarelas foram feitas nos locais que visitamos (Morro dos Tabajaras, orla de Niterói, Morro Dona Marta, dentre outros) e também a partir das referências fotográficas. 





Há também no livro ótimos textos, curtos, bem amarrados e certeiros. Para escrevê-los convidamos o jornalista Marcos Faria.

"O Marcos era da minha turma no segundo grau do colégio de São Bento", lembro-me bem, " isso foi lá nos tempos idos de 1985... Fazíamos uma dobradinha criativa nos artigos para o jornal do grêmio, e eu ilustrava sempre os artigos que ele escrevia, que eu achava brilhantes."


"Este livro traz um Cristo que, ao mesmo tempo que representa a fé religiosa e a técnica humana, é também concreto e metáfora...É uma estátua que une uma cidade mesmo quando marca a sua profunda divisão. Paradoxal como a alma da cidade que ele representa e do país que ela resume. "


36 Vistas do Redentor traz causos e imagens da cidade que é palco para este ator maior, o gigante do Corcovado. Ele ora é um figurante silencioso no cenário, ora apresenta-se como protagonista da cena.

Para adquirir as 36 Vistas do Cristo Redentor, escreva para alarcao@alarcao.com.br e coloque no título do seu e-mail "Compra 36 Vistas do Cristo Redentor" e no corpo de texto indique o número do seu CEP para cálculo do frete (via Sedex ou Envio PAC). O preço de envio é acrescentado aos valores abaixo:

Livro + dedicatória em aquarela= R$140

Temos um estoque de apenas 12 livros para venda autografada com original. 

O Adolescente, de Dostoiévski

Ilustrações para o livro "O Adolescente", do gigante da literatura russa, Dostoiévski. Publicado pela Companhia das letras.






28.9.10

Eleições no Brasil





















Arte publicada na Folha de São Paulo.
Este é um país na plenitude de sua puberdade democrática.
Votarei na Marina Silva. Mas deve dar Dilma (que não me inspira a menor confiança).

26.9.10

Em Novembro tem Fortaleza e Recife na agenda


É bom lembrar: em Novembro estarei em Fortaleza ("Fortal City" para os íntimos) como convidado do evento Baião IlustradoDe lá desço pra Recife para dois dias dedicados à oficina teórica "Ilustração: conceito e prática". Na cidade de Nassau suas reservas devem ser feitas pelo e-mail: cursos@fazdesign.net 

Fiquem ligados e garantam já as suas vagas. 

Vagas limitadas.



23.9.10

Como anda a ilustração brasileira?

Um ótimo artigo da Patrícia Amorim, designer de Recife, na excelente revista/jornal Pernambuco. Saiu no ano passado mas permanece atual.

22.9.10

Hokusai, o sábio

Desde a idade de seis anos eu tive a mania de desenhar as formas das coisas. Quando cheguei aos 50 anos havia publicado uma infinidade de desenhos, mas tudo o que produzi antes da idade dos 70 anos não vale a pena ser levado em conta. Aos 73 aprendi um pouco sobre a verdadeira estrutura da natureza - dos animais, das plantas, das árvores, das aves, dos peixes e dos insetos. Consequentemente, quando eu tiver 80 anos terei feito progressos ainda maiores. Aos 90 penetrarei no mistério das coisas. E, quando tiver 110, tudo o que eu fizer, seja um ponto ou uma linha, terá vida. Peço àqueles que viverem tanto quanto eu, verificarem se não cumpro minha promessa.

20.9.10

Ciclismo que mata


Ilustração para a revista Go Outside de Setembro. O artigo fala de alguns casos de morte súbita no ciclismo profissional.



































Lembro que há muitos anos atrás eu tinha em casa uma edição americana da Go Outside. Um dos seus principais colunistas chamava-se Jon Krakauer, cujo texto eu havia conhecido no excepcional livro "No Ar Rarefeito" . O mesmo escritor é autor da história que veio a se tornar o belíssimo filme "Into the Wild", por aqui chamado "Na natureza selvagem". A trilha sonora que Eddie Vedder (ex Pearl Jam), fez para este filme é assídua nos meus headphones desde que vi o filme.

Fiquei satisfeito em ver que a qualidade da revista Go Outside brasileira não fica devendo nada à matriz original.

Ao lê-la senti saudade das minhas aventuras nas trilhas de Ibitipoca, Serra do Vulcão, etc...

Estudo em aquarela






















Monique tem a maior cara de governanta má, mas é gente fina e linda. E um tanto marrenta.
E eu adoro a cabeleira black power dela.

19.9.10

Essa noite te farei uma visita

O amor

O amor são na verdade três: Eros, Philos e Agape. O primeiro nos deixa tão desnorteados que acabamos por nos esquecer do valor dos outros dois. O segundo está no sufixo de palavras como bibliofilia, a paixão por livros. E, para aqueles que nunca ouviram falar de Agape, ele apresenta-se em palavras como: paciência, bondade, humildade, respeito, generosidade, perdão e honestidade. Notem que elas correspondem a sentimentos que são também comportamentos. 


Esta terceira forma do amor me parece ser talvez a única que nasce da nossa manifestação voluntária, a vontade de amar à maneira Agape.














17.9.10

A caminho de Recife

Alô Recife, foi a saudade que me trouxe pelo braço!

Estou chegando em Novembro para dois dias dedicados à arte da ilustração. Façam suas reservas de vagas pelo e-mail cursos@fazdesign.net Vagas limitadas (e seis delas já têm dono!)


16.9.10

Tristan e Meathaus

Tristan e o temível Meathaus duelam sobre uma ilha rochosa em Cornwell. Ao longe observa o fiel escudeiro de Tristan. A ilustração ocupa a parte inferior de um spread de página dupla.

Desenhando no friozinho de outono em NY


Surf em Ipanema


Há somente uma coisa na vida da qual me arrependo: ter parado de surfar.

Tenho certeza que isto faria de mim uma pessoa melhor, mais leve, mais saudável, mais bronzeado...

Ficção científica

Capa do livro de ficção científica "Nômade". É bem legal o texto.



15.9.10

Três

Spread do sketchbook preto. Postal do Mutter museum, da Philadelphia, que reúne uma vasta coleção de assuntos ligados à medicina.

14.9.10

Picasso aos 15 anos

"levei 15 anos para pintar como Raphael e uma vida inteira para fazê-lo como uma criança"
























Aos 15 anos de idade Picasso pintou esta aquarela de seu pai.
Maldito.

Leveza

13.9.10

Arte da Folha




O blog anda um pouco sem novidades, eu sei. O motivo é aquele que todo mundo sabe: tempo.

Muitos trabalhos em produção, outros mais encaminhados para o final, 5 oficinas em andamento e já me programando para fazer a próxima Conversa Ilustrada, desta vez sobre o meu próprio trabalho.

No dia 13 saiu esse desenho na Folha de São Paulo. Desta vez ilustrei um texto que levanta um ponto de vista que não é exatamente ou 100% o meu. Coisas que acontecem na vida do desenhista de opinião.

Cá entre nós, por mim esse Cesare Battisti ganhava o asilo aqui e pronto. Fez-se escritor, e não acho que precise arrastar como um peso morto pela vida inteira as besteiras que pode ter feito na juventude. Além do mais, me parece que a direita do Berlusconi quer fazer uma caça às bruxas do passado. Não confio em políticos que pintam o cabelo.

Admito que em assuntos da política, não sou de direita nem de esquerda, mas sim do endireita. Se respeitarem os direitos humanos, roubarem menos (!) e não ficarem comprando votos com sacolas de compras, jogo de camisas de futebol e laqueaduras de trompas, já estaremos caminhando numa boa direção. Simples e raso assim.

Mas retornando ao ponto, concordo com alguns momentos do artigo. Por exemplo aquele em que é citada a rapidez do governo em devolver aos seus países os atletas cubanos que deserdaram durante o Pan do Rio, e, por outro lado, a total morosidade em decidir o destino do italiano.

Então o texto fala disso, da benevolência do estado para com o Battisti.

Querem saber? Deixem o cara ser escritor! Eu faria a capa dos livros dele numa boa.

Você tem todo direito de discordar de mim. Ou pode só ficar olhando o desenho.




9.9.10

O feriado cívico já se foi e vamos ao assunto que mais nos interessa: colocar as catracas da criatividade em movimento!



Se liga: esta semana começa aqui no Rio o curso que há tempos vem sendo chamado pelas bocas benditas de "disciplina eletiva da PUC" (tamanha a quantidade de filhos da PUC que atendemos nesses anos!).

Estou falando, obviamente, do Diário Gráfico. 



























Desta vez, atendendo a pedidos, traremos também o Diário Gráfico 2.0, só que este é somente para quem já passou pela experiência da oficina antes.

O Diário Gráfico 2 traz de volta a oportunidade para chamar de volta o quase adormecido ímpeto criativo, e recorta uma fatia do seu tempo para começar ou completar projetos pessoais, iniciar novos ciclos ou simplesmente dar aquela chacoalhada nas ideias novamente.

Serão 5 dias intensivos de pura mão na massa. Tudo isso para acabar também com velha desculpa da falta de tempo ou de espaço para trabalhar.


Ao final do workshop o participante do Diário Gráfico 2 produzirá um livro com encadernação do tipo "Case Binding" ( Lombada quadrada forrada em tecido e com capas forradas em papel) a partir da sua produção.


Quem for fazer o Diário Gráfico pela primeira vez, além de tornar-se membro da comunidade virtual do Diário Gráfico (com membros de toda parte do Brasil) concorre ao sorteio de um sketchbook Zoopress e também de uma gravura minha.

Para se inscrever, envie um e-mail para workshops@alarcao.com.br . Restam 2 vagas somente na turma da tarde (das 14 às 17h).

2.9.10

Sete de Setembro

No desfile de Sete de Setembro de 1979 minha escola foi a vencedora graças ao luxo do casal mirim Dom Pedro e Dona Leopoldina. O imperador sou eu aos 9 anos e 2 dias de idade. Minha mãe, costureira de mão cheia, fez a indumentária com toda atenção aos mínimos detalhes. As medalhas vieram da coleção do meu pai, grande esportista na juventude, e as botas foram emprestadas de um amigo (e estavam grandes no meu pé).


Depois de desfilar de mãos dadas com a princesinha por mais de uma hora, meu coraçãozinho juvenil sucumbiu às flechas de Cupido. O nome da menina eu esqueci mas, lembro-me muito bem dela ter sido minha primeira paixão avassaladora. 


Ah, como são lindos e efêmeros os amores da infância...